Google+ Followers

domingo, 5 de novembro de 2017

CONHECER-SE FAVORECE A VIDA A DOIS

Por Néa Tauil


Sabemos que a convivência com pessoas nem sempre é muito fácil, pois todas as modalidades de relação (família, amizade, casamento, trabalho, estudo, etc.) não envolvem apenas alegrias, prazeres, realizações, conforto. Ou seja, não existe apenas o lado prazeroso das relações, há também o lado dos conflitos, do desprazer em que as pessoas geram em nós  sentimentos desconfortáveis, como frustração, mágoa e raiva. Sendo que não só as  outras pessoas nos provocam sensações boas ou más, também provocamo - nas  as mesmas sensações, pois vivenciar momentos de prazer e desprazer são inerentes às relações humanas. Porém, a questão é: como lidar com essa condição na vida a dois, sem destruir o relacionamento? 

A vida a dois é uma construção do dia a dia e, para agir de uma forma mais tranquila - na relação  "eu-outro"- o autoconhecimento é essencial para que a pessoa possa se observar dentro da relação. Isto é, na arte de se relacionar com o outro, é primordial conhecimento de nosso próprio eu. Quando a pessoa conhece seus pontos fortes e fracos, fica mais fácil desenvolver atitudes que promovam relacionamentos mais saudáveis e construtivos. Estar ciente sobre os próprios limites, fica mais fácil desenvolver atitudes que resolvam essas limitações, apropriar dos próprios sentimentos, reconhecendo-os e questionando quais necessidades emocionais não estão sendo atendidas, evita o desgaste das relações por questões de pouca relevância. Podemos dizer isto: quando a pessoa não se conhece em profundidade, ela caminha no escuro, coloca-se em condições de inferioridade diante do outro, pois fica difícil perceber quem realmente é, o que consegue ou não fazer, identificar quais são as suas necessidades, desejos e suas verdadeiras habilidades e aquilo que pode lhe ajudar a melhorar tais habilidades.  Com certeza, quando temos consciência do nosso papel e do papel do outro na relação, com limites bem definidos, a vida a dois tende a ser mais igualitária e com respeito ao espaço de ambos.

Na real, o processo de autoconhecimento muda a forma como uma pessoa interage consigo mesmo, com o mundo e com as outras pessoas, abrindo a possibilidade para conhecer e aprender novas coisas. Conhecer-se melhor, sabemos, desde Sócrates (470-399 a.C.), é fundamental para o viver, já que os outros entram em nossa sintonia e repetem o que emanamos. Sócrates foi um grande defensor do autoconhecimento, e durante a sua vida, dedicou muito tempo para tentar entender a sua própria natureza. Afirmou que nenhum indivíduo era capaz de praticar o mal conscientemente e propositadamente, mas que o mal era um resultado da ignorância e falta de autoconhecimento.

De fato, quanto menos autoconhecimento, mais o inconsciente vai estar no comando. O inconsciente não se manifesta na vida de cada pessoa apenas em lapsos, atos falhos ou em sonhos. Na verdade, ele é uma força que está por trás de todas as nossas escolhas e repetições de comportamento. Entretanto, a maneira como o inconsciente interfere em cada pessoa é relativo, já que leva em consideração a história de vivência de cada um, conforme as representações sociais introjetadas pela família em que está inserida. Então, não é por outra razão que o mesmo inconsciente que nos impulsiona a repetir atitudes saudáveis, leva-nos também a repetir, compulsivamente, atitudes negativas e destrutivas. E o que é pior: por não se conhecer, a pessoa segue repetindo sempre os mesmos padrões  negativos e destrutivos.

Infelizmente, são muitas as possibilidades de padrões negativos e destrutivos aprendidos na infância que podem criar dilemas inconscientes que acabam levando a pessoa a agir contra si mesma na idade adulta. Um bom exemplo são  as relações abusivas que envolve ( violência física, psicológica e sexual) na vida a dois. É essa a violência  privada que  chamo de "fundo do poço" e que muitas vezes é a partir daí que alguns casais procuram ajuda psicológica, com o objetivo de romper com os padrões negativos e destrutivos no modo de se relacionar e emergir para uma nova concepção saudável de relacionamento. Por outro lado, outros tantos vivem afundados no ciclo da autossabotagem, repetindo padrões de comportamentos  negativos e destrutivos mantenedores das relações abusivas, já que a familiaridade com o problema e as reações a ele criam uma segurança neurótica no casal. Isto é, a paralisia e o torpor são mais aceitáveis do que o aprendizado de novos padrões. Mas, sem sombras de dúvidas, torna-se muito mais complicado manter relacionamentos doentios do que saudáveis. Então, para uma vida a dois leve, equilibrada e estável, o caminho é o autoconhecimento.



Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil
Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com
contato: neatauil@gmail.com

sábado, 7 de outubro de 2017

TRISTEZA É DEPRESSÃO?

Por Néa Tauil



Infelizmente, apesar de vivermos no mundo da informação, boa parte das pessoas ainda confundem tristeza  com depressão. Mas essa confusão pode ser perigosa, já que a depressão aumenta - em 80% - a mortalidade por causas somáticas (doenças cardíacas, diabetes, hipertensão, AVC, obesidade, etc.) além, é claro, de ser considerada como a principal causa de suicídio.

É importante ressaltar que tristeza não é depressão, por isso,  é fundamental aprender diferenciar uma da outra  para que a depressão deixe de ser ignorada pelo portador e por parte da família, podendo ser prevenida e tratada. Dessa forma, uma melhor compreensão sobre a diferença entre a emoção tristeza e  a doença depressão pode ajudar a reduzir o estigma associado ao estado depressivo, além de levar mais pessoas a procurar ajuda.

Então, para acabar com qualquer dúvida e levar a depressão à sério, o quanto merece, conheça as principais diferenças entre tristeza e depressão: a tristeza é um sentimento normal, que faz parte da vida psicológica de todos nós, assim como  medo, raiva, alegria e outros sentimentos. Ela surge em resposta a alguma lembrança que tenha significado importante, ou algum evento ruim ( por exemplo, perda de um amigo, revés financeiro, etc.). Quando a pessoa está  triste, em geral, consegue seguir com o seu  trabalho, relacionamentos afetivos e compromissos sociais. Consegue reagir e encontra motivação para superar as dificuldades, isto é, mantém a esperança. Pode passar por momentos difíceis, mas não perde a capacidade de sentir prazer e/ou aproveitar as coisas boas da vida. No caso da depressão, a tristeza e o desprazer podem oscilar, mas, em geral, são mais persistentes ao longo do tempo e os problemas normais do cotidiano tomam proporções exageradas. A pessoa pode perder a capacidade de reação, a esperança em reverter seu quadro de marasmo, desânimo e tristeza.  Diante disso, a pessoa tende a se isolar, ao contrário de uma pessoa triste, que busca ajuda e a companhia de amigos. Por vezes, pode não haver tristeza, mas, sim, uma incapacidade de sentir prazer, mesmo nas atividades que antes eram prazerosas. A depressão, quase invariavelmente, causa prejuízo em uma ou mais esferas do funcionamento do indivíduo, tais como trabalho e desempenho nos estudos. A pessoa tende a ficar mais irritada e impaciente do que o normal, o que prejudica os relacionamentos de modo geral (familiar, afetivo ou social).  Surgem também os sintomas físicos, pois ao contrário do que muitos pensam, depressão não é uma doença de sintomas estritamente psicológicos, mas sim uma das doenças emocionais que mais ataca o corpo. Muitas pessoas não reconhecem que estão deprimidas por não associarem ao transtorno depressivo os sintomas físicos, como cansaço, alterações no apetite, dificuldade extrema de concentração, hipersônia ( excessivas horas de sono ou sonolência)  ou insônia, dores difusas pelo corpo, distúrbios gastrointestinais, fadiga, taquicardia, dores na coluna, dificuldade de respirar, sensação de opressão no peito, perda ou diminuição do desejo sexual, imunidade baixa, entre outros.

Por tudo isso, saber identificar um estado depressivo faz com que a pessoa  encare o problema como uma doença - que merece a devida atenção - e pode buscar ajuda de um profissional qualificado, ao invés de atribuir seus sintomas como  uma reação a fatos  ruins da vida ou como uma coisa passageira sem importância e até mesmo sem solução. Lembre-se:  depressão não é tristeza e precisa , sim, de tratamento, pois é prejudicial ao indivíduo, aos seus próximos e à sociedade de maneira geral





Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)
Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com
contato: neatauil@gmail.com


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

MAIS INFORMAÇÃO, MENOS SOFRIMENTO

Por Néa Tauil


Os meios de comunicação são artifícios que permitem a comunicação entre pessoas, contribuindo com o processo de transmissão de informações. E esta é a verdadeira importância dos meios de comunicação. 

Costumo dizer que a informação liberta, expande, estimula, amplia, libera, atenua, alivia, esclarece e alerta. Por isso, me sinto gratificada em ver meu texto publicado na Revista ACONTECE - CE ( circula na região metropolitana do Cariri e nos órgãos governamentais de Fortaleza). É um prazer e uma honra ser colunista deste valioso instrumento de comunicação. Aqui está o texto publicado na edição de setembro. 




                Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com
                contato: neatauil@gmail.com

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

QUANDO UM CASAL PRECISA DE PSICOTERAPIA?


 Por Néa Tauil






É certo que todos os casais colecionam conflitos de várias espécies, em contextos  e características absolutamente particulares de cada casal e de cada pessoa que o forma. Porém, nem sempre é fácil determinar qual o momento exato de se procurar psicoterapia para o casal, na tentativa de encontrar uma saída para os problemas do relacionamento. 



Contudo, a partir da minha visão e experiência, como psicóloga, se pensarmos de forma preventiva, seria importante que o casal procurasse ajuda, quando identificasse divergências consideráveis e repetitivas, sobre as quais não consegue chegar a nenhum acordo, o que é comum, por exemplo, com a educação de filhos. No entanto, a predominância é pela procura profissional, quando há, depois de várias e desgastantes tentativas, com conflito já deflagrado, com adoecimentos e aparecimento de graves sintomas em um dos parceiros ou nos filhos.


Na verdade, o diálogo franco e desprovido de rancores é sempre uma boa alternativa para elucidar dúvidas e resolver questões que podem ameaçar a boa convivência entre os parceiros. Mas, contrariando o que muitos pensam, nem sempre é a falta de comunicação o principal problema, que pode desencadear outras dificuldades na relação, mas comunicações inadequadas, prejudiciais ao diálogo construtivo que se constitui de várias características, como escuta atenta, linguagem respeitosa e não violenta, legitimação do que diz e sente a outra pessoa, tom de voz, escolha de momento e lugar para conversar, entre outras. Comunicar-se de forma positiva para o relacionamento é um de seus alicerces mais importantes, e o psicoterapeuta colabora muito para que isso aconteça.

Infelizmente, há muitas dificuldades culturais e sociais para o reconhecimento e procura desse tipo de psicoterapia, sendo mais constante a ida de um ou outro para uma psicoterapia individual, quando vão, ou o encaminhamento de filhos para tratamento. Ainda hoje, há quem pense que quem faz psicoterapia de casal acaba se separando, que apenas pessoas " loucas" precisam dessa forma de tratamento ou que procurar ajuda é uma demonstração de fraqueza. 


A grande questão é que ainda existe muito preconceito sobre procura de atendimentos à saúde mental, psicológica e emocional. Mas, importa dizer que os problemas emocionais e as doenças mentais trazem muito sofrimento e limitações àqueles que os sentem, porém, não deixam sinais físicos, nem alterações laboratoriais. Ou seja, o fato de os transtornos não serem perceptíveis, como uma febre ou um osso quebrado, faz com que as pessoas não os compreendam e com isso acabam prejudicando a própria qualidade de vida e daqueles que o cercam.



Por isso, é importante   desconstruir os conceitos preestabelecidos sobre psicoterapia em geral ( individual, casal ou familiar), aprendendo a olhar para ela como um modo de cuidar das diversas formas com as quais o sofrimento humano pode se manifestar. Sem dúvida, a psicoterapia é uma  ferramenta útil, pois auxilia a ampliação da consciência e a vislumbrar possíveis caminhos que sejam diferentes da incomunicabilidade e do cultivo de sentimentos negativos, que podem induzir à violência física ou psicológica que ocorre nas famílias, especialmente a conjugal. Então, com a mente aberta, a intenção de melhorar e a busca pela psicoterapia, pode-se obter muitos benefícios para si mesmo e, consequentemente, para aqueles com quem convive.





Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)
Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com
Contato: neatauil@gmail.com

domingo, 23 de julho de 2017

UMA HISTÓRIA DE RESILIÊNCIA



Por Néa Tauil



Como psicóloga, as histórias que escuto em meu consultório, ao longo dos anos, são extraordinárias e, com frequência, tão improváveis que, se as lêssemos em um romance, poderíamos considerá-las por demais fantasiosas ou aterrorizantes. Porém, são histórias verdadeiras de pessoas que passaram por momentos trágicos, mas que conseguiram se adaptar e retomar à vida. Sem dúvida, além das que escuto, são muitas  as histórias de resistência e superação de pessoas vítimas de  acidentes, doenças, catástrofes naturais (terremotos, furacões e enchentes). Bem como de situações sociais degradantes, como a miséria, o desemprego, a violência física, psicológica e sexual, os diversos tipos de preconceito (racismo, idade, peso/tamanho, nativismo, sexismo, homofobia, etc.) Enfim, são relatos de pessoas que  conseguiram minimizar os efeitos nocivos que poderiam carregar da experiência traumática, mas deram a volta por cima.

Como exemplo de história que transmite resiliência, citarei aqui a da artista Madonna. No dia 16 de agosto, de 1958 nascia, em Bay City, Michigan (EUA), Madonna Louise Ciccone. Ela passou a infância em Pontiac, um subúrbio de Detroit e Avon Township. Quando tinha cinco anos, sua mãe faleceu, vítima de um câncer de mama, aos 30 anos. Meses antes de sua morte, Madonna havia notado mudanças no comportamento de sua mãe. Estava atenta, embora não entendesse a razão disso. Sra. Ciccone, não encontrando maneiras para explicar sua terrivel condição médica, muitas vezes começava a chorar, quando questionada por Madonna, altura em que esta respondia com um abraço fraternal em sua mãe. "Lembro-me sentindo mais forte do que ela era". Madonna lembra: "Eu era tão pequena e ainda assim eu senti que ela era a criança." Madonna reconheceu mais tarde que ela não tinha entendido o conceito de sua mãe morrer. "Havia tanta coisa não dita, tantas emoções a desembaraçar e resolver, remorso, culpa, perda, raiva, confusão. [...] Eu vi minha mãe, com o olhar tão bonito e mentiram para mim como se ela estivesse dormindo em um caixão aberto. Então, eu notei que a boca de minha mãe estava engraçada. Levei algum tempo para perceber que ela tinha sido enterrada. Nesse momento terrível, eu comecei a entender o que eu tinha perdido para sempre. A imagem final da minha mãe, ao mesmo tempo tão pacífica e grotesca, assombra-me até hoje." Madonna finalmente aprendeu a cuidar de si mesma e de seus irmãos, virou-se para a avó, na esperança de encontrar algum conforto e alguma forma de sua mãe nela. Os irmãos Ciccone, ressentidos, invariavelmente, rebelaram -se contra qualquer pessoa trazida para casa ostensivamente para tomar o lugar de sua querida mãe. Em entrevista à Vanity Fair, Madonna comentou que ela se via em sua juventude como uma jovem "solitária, que procurava por alguma coisa. De certa maneira, eu não era rebelde. Importava-me em ser boa em alguma coisa. Eu não raspava minhas axilas, não usava maquiagem como garotas normais. Mas, estudei e tenho boas qualidades.... Eu queria ser alguém." Temendo que seu pai poderia ser tirado de seu convívio, Madonna foi muitas vezes incapaz de dormir sem estar perto dele. Seu pai se casou com a governanta da família Joan Gustafson, tiveram dois filhos: Jennifer e Mario Ciccone. Neste momento, Madonna começou a expressar sentimentos não resolvidos de raiva para o pai, que perduraram por décadas, desenvolvendo nela uma atitude rebelde. Já adulta, ao receber o prêmio de Mulher do Ano - 2016 da revista
Americana Billboard, em Nova York, Madonna em sua fala de agradecimento falou sobre sexismo, misoginia e uma série de obstáculos sofridos ao longo da vida. Em uma das partes do discurso,   falou de sua vida como adolescente, quando havia acabado de se mudar para Nova York: "As pessoas estavam morrendo de AIDS em todos os lugares. Não era seguro ser gay, não era legal ser associada à comunidade gay. Era 1979 e Nova York era um lugar muito assustador. No meu primeiro ano [na cidade], eu fiquei sob a mira de uma arma de fogo, fui estuprada num terraço com uma faca na minha garganta, tive meu apartamento invadido e roubado tantas vezes que eu parei de trancar as portas. Com o passar do tempo, perdi para a AIDS ou para as drogas ou para as armas quase todos meus amigos que tinha. Como vocês podem imaginar, todos esses acontecidos inesperados não apenas me ajudaram a me tornar a mulher ousada que está aqui, mas também me lembraram que sou vulnerável, e que na vida não há segurança verdadeira, exceto sua auto-confiança.” No final de seu discurso, Madonna relembrou alguns artistas já falecidos:“Eu acho que a coisa mais controversa que eu já fiz foi ficar aqui. Michael [Jackson] se foi. Tupac se foi. Prince se foi. Whitney [Houston] se foi. Amy Winehouse se foi. David Bowie se foi. Mas eu continuo aqui. Eu sou uma das sortudas e todo dia eu agradeço por isso."

Nota-se que a Madonna pode ser considerada uma pessoa com caráter resiliente. Para a psicologia, resiliência é a capacidade humana de enfrentar, sobrepor-se ou sair fortalecido ou transformado de experiências de adversidade. É a capacidade de utilizar situações adversas para o crescimento e desenvolvimento emocionais, habilidade de retornar ao estado habitual de saúde mental, após passar por momentos trágicos. Com base nisso, é correto dizer que as características do caráter resiliente são: introspecção, autonomia, capacidade  de - diante de uma situação adversa- manter distância emocional, sem cair no isolamento, capacidade de se relacionar e estabelecer laços de intimidade com outras pessoas, capacidade de manter relações e de se colocar no lugar do outro, ter iniciativa, bom humor (não é euforia), criatividade, capacidade de criar ordem, beleza e finalidade, a partir do caos e da desordem, senso ético, capacidade de comprometer-se com valores, autoestima consistente e capacidade de dar sentido emocional às experiências de vida por meio da utilização de simbolização.

Se considerarmos que a resiliência se baseia  nas experiências relacionais precoces e na possibilidade de estabelecer laços sociais posteriores, pode-se afirmar que um fator de proteção e fortalecimento para superar adversidades complexas é o fato de estes indivíduos apresentarem, pelo menos, um vínculo seguro na infância com uma pessoa significativa. Isto quer dizer que para a obtenção de um caráter resiliente, o importante é contar com apoio incondicional de uma figura significativa, como o acolhimento materno que tenha sido recebido incondicionalmente. Mas, é bom lembrar que não precisa ser necessariamente a mãe quem faz esta função. O que importa é haver essa figura significativa. A psicanalista Alice Miller (2004) chama essa pessoa significativa de testemunhas auxiliadora e conhecedora. A testemunha auxiliadora é uma pessoa (tia, avó, irmãos, vizinha, empregada, babá, professora) que ajuda a criança maltratada ou negligenciada, ainda que de forma esporádica, oferecendo-lhe apoio, amor, carinho, sem a intenção de manipulá-la, com a finalidade de educá-la, de confiar nela e transmite-lhe a sensação de que não é má, que merece ser tratada com respeito. Muitas vezes, a criança acredita ser maltratada por ser má, ou culpada por apanhar, ser xingada, abusada, negligenciada, carregando consigo esses sentimentos por toda sua vida, comprometendo sua noção de valor (autoestima), e até suas escolhas. Essa testemunha será muito lembrada quando adulta, descobrindo a diferença que o amor dessa pessoa fez em sua história. Muitas repetições de padrões destrutivos são rompidos devido a essa testemunha. Em casos em que essa testemunha for totalmente ausente, quando adulta, poderá usar a violência em que foi tratada quando criança, em seus próprios filhos, empregados, etc. Alice Miller estudou a infância de Hitler e não foi encontrada nenhuma pessoa significativa em sua vida. Já a testemunha conhecedora é uma pessoa que conhece as consequência da negligência e do abuso (psicológico, físico e sexual) sofrido pela criança. Na vida adulta, a testemunha conhecedora pode representar um papel semelhante ao da testemunha auxiliadora na infância. Pode ajudar, transmitindo aos adultos que sofreram algum tipo de abuso - na infância - empatia, acolhimento, validação dos sentimentos, ajudando-os assim a entender melhor suas histórias, seus sentimentos de medo e impotência - para que agora na idade adulta possam ter mais liberdade em suas escolhas, libertando-os das consequências do sofrimento do passado. Então, podemos supor que a sorte da Madonna foi a presença de pessoas significativas em sua vida, tanto na infância quanto na idade adulta, possibilitando, assim, o desenvolvimento do seu caráter resiliente.


Como foi dito anteriormente, na vida adulta, a testemunha conhecedora pode representar um papel semelhante ao da testemunha auxiliadora na infância. Dentre algumas testemunhas conhecedoras estão aqueles psicólogos(as) que estudam e trabalham com abusos sofridos na infância, pois quando adulto, é indispensável  a  presença da testemunha conhecedora, para  que haja libertação do sofrimento da infância. Mesmo porque, muitas dessas questões são dolorosas e é preciso "elaborar", isto é, transformá-las em algo produtivo que possa contribuir para vida da pessoa. É nesse contexto que entra a figura dos psicólogos e processos terapêuticos, lugar este, onde é possível transformar frustração e sofrimento em realização e felicidade.


Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)

Psicoterapia Beneficia as Pessoas - psicologaneatauil.blogspot.com
contato: neatauil@gmail.com
Referência: 
Miller, Alice; A verdade Liberta: superando a cegueira emocional. São Paulo: Martins Fontes, 2004

sexta-feira, 23 de junho de 2017

BAIXA AUTOESTIMA PREJUDICA A RELAÇÃO AMOROSA


Por Néa Tauil



Nas relações íntimas, a autoestima direciona o tipo de relacionamento a ser conservado, pois quaisquer que sejam nossos sentimentos sobre nós mesmos, tendemos a refleti-los em nossos relacionamentos. Ou seja, a maneira como nos posicionamos diante de nós mesmos - na vida - direciona como vamos lidar com as outras pessoas. Isso significa que uma pessoa com boa relação consigo mesmo terá boas relações com os outros. O contrário também é verdadeiro: uma pessoa que se desmerece, que  diz  para si coisas negativas e que não acredita, ou não confia em si mesmo, seus relacionamentos refletirão esse negativismo. 

Como se pode ver, a questão da autoestima é muito mais importante do que as pessoas pensam, já que o nível de autoestima que uma pessoa manifesta influencia positiva ou negativamente tudo em sua vida. Há muitas definições para autoestima, mas todas têm em comum o conceito de amor por si mesmo. Mas o que é o amor por si mesmo? É agir amorosamente em relação a sua pessoa, satisfazer suas próprias necessidades e desejos, nutrir consideração e respeito por si mesmo, saber valorizar o que se tem de melhor, como também reconhecer os defeitos e limitações.

Na relação amorosa, os parceiros podem apresentar um nível alto ou baixo de autoestima. Nesse sentido, pode-se dizer que a pessoa com  autoestima alta acredita em si mesmo, é o que quer ser, desfruta a vida e assume responsabilidade sem culpar os outros e sem se justificar pelas escolhas que faz. Já quem sofre de baixa autoestima tende a interpretar fatos e sinais de uma maneira ruim e tem uma visão extremamente negativa de si próprio o tempo todo. A baixa autoestima é um sentimento de menos valia e que está sempre associada ao sentimento de insegurança. Estudos mostram claramente que a visão negativa que se tem de si mesmo é um fator determinante para o surgimento de transtornos psicológicos, como fobias, depressão, estresse, ansiedade, insegurança interpessoal, problemas de relacionamento e muitos outros. É fato que  pessoas com baixa autoestima tendem a adoecer mais, devido ao nível de exigência que se impõem para agradar aos outros, pelo alto desgaste emocional para lidar com as dificuldades, pela instabilidade e fragilidade emocional de se ver por meio dos "olhos" dos outros, o que promove frustrações diante de desaprovações. Não é demais ressaltar que os problemas de muitas pessoas é que se desprezam e se consideram seres sem valor e indignos de serem amados. 

Sem dúvida, a baixa autoestima prejudica a relação amorosa, já que  o parceiro(a) se relaciona com os recursos que lhe são oferecidos. Dessa forma, na relação amorosa é necessário primeiro gostar de si para que cada um desenvolva seus próprios recursos de modo a não se anular e não sobrecarregar o parceiro. Nesse sentido, pode -se notar que a autoestima não é apenas uma questão externa relacionada exclusivamente à  aparência, é  - acima de tudo  - uma questão interna. Por isso, investir apenas em transformações físicas como ( alterações de peso ou um corte de cabelo) não são suficientes para melhoria do autoconceito, pois o nível da autoestima está diretamente ligado ao modo como a pessoa se conhece, lida com suas emoções diante da realidade  e enfrenta as diversas situações. 

Com certeza, para amar a si mesmo é preciso se conhecer, a fim de atender as próprias necessidades e desejos. Conhecer-se melhor, sabemos, desde Sócrates (470-399 a.C.), é fundamental para o viver, já que os outros entram em nossa sintonia e repetem o que emanamos. Então, se é assim, seja o primeiro a se dar carinho, afeto, consideração e respeito, pois quando um dos parceiros não se ama e não se respeita, não pode exigir que o outro o ame e respeite.



Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)
Psicoterapia Beneficia as Pessoas! http://psicologaneatauil.blogspot.com
contato: neatauil@gmail.com

sábado, 20 de maio de 2017

ANSIEDADE É MEDO?

Por Néa Tauil





Os quadros ansiosos  são reações naturais do organismo, que podem se manifestar diante das mais diversas situações. No entanto, é preciso saber identificar a partir de que ponto as sensações deixam de ser um sentimento normal e passam a ser disfuncional e trazer prejuízos ou sofrimentos importantes, pois constante nervosismo, preocupação excessiva, necessidade de fazer rápido o que precisa ser feito, medo de que algo dê errado, sentimento de cansaço e dificuldade de concentração são sensações características de quem sofre de ansiedade, as quais afetam diversos aspectos da vida pessoal, como o trabalho e os relacionamentos.

Não podemos negar que a modernidade é responsável por vários avanços da humanidade. Mas também não podemos desconsiderar o fato de que todo avanço pode causar transtornos. Nesse sentido, a ansiedade tem sido tratada como uma das principais desordens da sociedade moderna, pois quando passa do limite, começa a causar prejuízos, por ser a porta de entrada para outros distúrbios, porque a ansiedade excessiva pode contribuir  para o desencadeamento de diversas doenças psicológicas mais graves, como: TOC (transtorno Obsessivo Compulsivo), Transtorno de Ansiedade Generalizada, Fobia Social, Transtorno do Pânico, entre outras.

Muitas pessoas confundem medo com ansiedade. Mas  há diferença e semelhança entre ambos. As diferenças são: O medo é a avaliação de perigo e a ansiedade é o estado de sentimento desagradável evocado quando o medo é estimulado. Isto é, o medo está relacionado à valoração de um perigo iminente e a ansiedade com a expectativa de que algo irá acontecer no futuro. O medo  é fundamental para nos deixar atentos e para contribuir no processo de tomadas de providências, quando surgir um momento adverso. Diz respeito à sobrevivência. Por exemplo: Uma pessoa passeando no shopping e, de repente escuta gritaria e tiros, imediatamente ela se agacha ou tenta se esconder, pois a possibilidade de estar acontecendo um assalto é concreta. Nesse caso, a pessoa está diante de um perigo real. Por outro lado, a ansiedade está relacionada com questões existenciais, é um produto de nossa imaginação, uma espécie de medo criado pela mente em que a pessoa substitui o sentir pelo imaginar e passa a acreditar naquilo que imagina. A exemplo disso, podemos citar o medo referente a ser ridículo, de errar, de ser humilhado, à perda de status, conforto, poder econômico, afetos, amizades, controles, privilégios ou até mesmo temor à solidão, o não reconhecimento, o amor não correspondido, etc. Então, sentir ansiedade é como imaginar alguma coisa que não se deseja  e ficar preocupado com fatos que ainda não ocorreram.

E qual é a semelhança entre o medo e a ansiedade? A semelhança está na
reação do corpo, pois o corpo diante do perigo real (medo) ou perigo imaginário (ansiedade) reage da mesma forma. Isto é, ao sentir perigo - seja ele real ou imaginário - as defesas do organismo disparam em alta velocidade, em um processo rápido, automático, conhecido como a reação "lutar ou fugir" ou reação ao estresse. Dessa forma, quando a pessoa percebe a ameaça, seu sistema nervoso reage com a liberação de uma inundação de hormônios do estresse, incluindo a adrenalina e cortisol. Esses hormônios despertam  o corpo para ações de emergência.  O coração acelera, os sentidos  são aguçados, os músculos contraem,  as glândulas funcionam diferentemente, a pressão arterial sobe, a respiração encurta. Estas alterações físicas aumentam a força e o vigor, acelera o tempo de reação e aprimora o foco - preparando a pessoa para lutar ou fugir do perigo.  Porém, nosso corpo não sabe distinguir entre um perigo real (medo) e um perigo imaginário (ansiedade - produtos dos nossos pensamentos). No medo real, após passar o perigo, o corpo retorna ao seu estado normal, mas no medo imaginário, mantém-se o estado de alerta enquanto durar nossa crença na ameaça a nossa pessoa.

Como vimos, a tensão que vem da mente é, sim, capaz de desencadear efeitos pelo corpo, que reage de diferentes formas. Então, cuidar da parte psíquica é também uma forma de garantir melhor saúde física, já que o cérebro está diretamente ligado ao sistema imunológico e ao bom  ou mau  funcionamento do organismo. Embora seja comum as pessoas relutarem para buscar ajuda psicológica, mais uma vez é bom lembrar que ansiedade excessiva pode contribuir  para o desencadeamento de diversas doenças psicológicas mais graves que podem interferir severamente na qualidade de vida. Dessa forma, independente de qual seja a origem, qualquer sinal de que algo não está bem no eixo mente-corpo deve ser levado em consideração e um especialista deve ser procurado.


Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)



Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com
contato:neatauil@gmail.com