Google+ Followers

sábado, 14 de abril de 2018

ENTREVISTA TV URBANA - ASSUNTO: FAMÍLIA EU


Por Néa Tauil


O movimento social Família Eu: educando para o amor-próprio, trata-se de um movimento dedicado a convidar as pessoas a se amarem e, a partir daí, a pensar, reconhecer, entender, entrar em acordo e aprender a cuidar dos seus muitos eus. Saiba mais assistindo a entrevista realizada com a psicóloga Néa Tauil (idealizadora do movimento) no programa FORTUNATI.COM. Junte-se a nós! Facebook: Família Eu - Instagram: familia.eu



sábado, 31 de março de 2018

AMOR-PRÓPRIO ME FEZ UMA PESSOA MELHOR

Por Néa Tauil
Quanto maior for a disposição em olhar para si mesmo, maior será sua capacidade de enfrentar a realidade com seus problemas e desafios - ao invés de ser engolfados por eles - o respeito por si mesmo só crescerá, fazendo valer seus pensamentos, sentimentos, ideias e valores. Certamente, ficará mais confiante para fazer suas escolhas, responsabilizando-se por elas. Sentir-se-á mais confortável e fortalecido para se provar diante de qualquer circunstância, seja ela boa ou má, certa ou errada. 

De fato, amar a si mesmo não é apenas o ponto de referência para saber quanto se deve amar os outros (¨ama teu próximo como a ti mesmo); parece agir como um fator de proteção contra o surgimento de transtornos psicológicos, como fobias, depressão, estresse, ansiedade, insegurança interpessoal, alterações psicossomáticas, problemas de relacionamento, baixo rendimento acadêmico e profissional, abuso de substâncias nocivas, problemas de imagem corporal, incapacidade para regular as emoções e muitos outros. Ou seja, amor-próprio é um gerador de bem-estar e qualidade de vida. Assim, podemos afirmar que temos a capacidade de construir uma vida saudável ou uma vida de doenças, dependendo do modo como nos relacionamos conosco mesmos e da maneira como buscamos manter as relações a nossa volta.

Isto é, você pode pensar que é lindo, eficiente, interessante, inteligente e bom, ou o contrário (feio, ineficiente, chato, tolo e mau). Cada um desses qualitativos é o resultado de uma história prévia, na qual, você foi gestando uma “teoria” sobre si mesmo que, hoje, está dirigindo a sua vida. Por exemplo: você pode estar preso à crença de que é um perdedor. Então, acredita -se que é um perdedor, não vai tentar ganhar. Vai dizer a si mesmo: “Para que tentar? Eu não consigo ganhar”. Nota-se nesse exemplo, que dependendo da teoria que dirige a vida de uma pessoa, ela pode repetir obsessivamente - sem perceber - tanto atitudes saudáveis quanto atitudes erradas que levam ao fracasso, pois há muitos “ eus “ dentro do nosso eu compondo a teoria que cada um tem sobre si mesmo e, o modo como lida com esses “eus” faz toda a diferença na maneira de atuação em relação a si mesmo e aos outros.

Infelizmente, a maior parte das pessoas não querem saber nada sobre a história que deu origem a teoria que praticam e, dessa forma, não sabem que, no fundo, são continuamente afetados por ela. Isto é, a teoria que cada um tem sobre si mesmo rege a incidência e a reincidência dos episódios felizes e infelizes que constroem a nossa existência. Então, a pergunta que não quer calar: a sua teoria está conduzindo você a repetir episódios felizes ou infelizes? 




Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)
Família EU - movimento social: educando para o amor-próprio
Junte-se a nós! Facebook: Família Eu - Instagram: familia.eu

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

FAMÍLIA EU - Movimento Social: educando para o amor-próprio

Por Néa Tauil


O nome Família Eu foi criado para mostrar às pessoas a existência dos muitos eus contidos dentro do nosso "eu", com suas características e polaridades (eu físico, eu mental, eu emocional, eu social, eu sexual e muitos outros). Mostrando ainda que cada parte nossa possui uma necessidade essencial, que requer atenção, e quando optamos por ignorar constantemente as necessidades dos nossos muitos eus, corremos o perigo de perdermos o controle do nosso comportamento e nos tornarmos os nossos piores inimigos, pois a negação da nossa condição humana, em sua totalidade, limita o que conseguimos ver em nós mesmos e nos outros, além de cortar nossa ligação com o próprio recurso de que precisamos para viver uma vida plena, feliz e bem-sucedida.

Com o nome criado e o propósito estabelecido, nasceu o movimento social Família Eu: educando para o amor-próprio. Trata-se de um  movimento dedicado a convidar as pessoas a se amarem e, a partir daí, a pensar, reconhecer, entender, entrar em acordo e aprender a cuidar dos seus muitos eus, já que amar e cuidar de todas as partes de si próprio é atitude oposta a tudo o que aprendemos a pensar e fazer.

Família Eu trata-se, em verdade, de um movimento que pretende mobilizar as pessoas com dicas e reflexões que têm o poder de chamar a atenção de todos para o fato de que amar a si mesmo não é apenas o ponto de referência para saber quanto se deve amar os outros (¨ama teu próximo como a ti mesmo¨), mas como um fator de proteção contra o surgimento de transtornos psicológicos, como fobias, depressão, estresse, ansiedade, insegurança interpessoal, alterações psicossomáticas, problemas de relacionamento, baixo rendimento escolar e profissional, abuso de substâncias nocivas, problemas de imagem corporal, incapacidade para regular as emoções e muitos outros. Isso quer dizer, que temos a capacidade de construir uma vida saudável ou uma vida de doenças, dependendo do modo como nos relacionamos conosco mesmos e da maneira como buscamos manter as relações a nossa volta.

Sem dúvida, trata-se, ainda, de um movimento que vem desconstruir ideias equivocadas sobre o amor-próprio. Por exemplo: para muitas pessoas o amor-próprio está associado à ideia de egoísmo, nutrindo a crença de que todo nosso amor e toda nossa estima deve ser focada no outro. Isso não é verdade, pois se não pudermos amar a nós mesmos, como seremos capazes de amar o outro? Para cuidar de nós, atender nossas necessidades e nossos desejos, devemos focar em nós mesmos e, de  forma alguma, isso é egoísmo, na verdade, é autoestima. E esta determina e direciona pensamentos, emoções e comportamentos. O nível de autoestima que uma pessoa manifesta influencia tudo em sua vida. Em função disso, a saúde, o trabalho, as relações pessoais e profissionais são diretamente afetadas pelo nível de autoestima de cada um.

De fato, a Família EU foi  planejada para promover o amor-próprio como uma possibilidade de solução para um mundo melhor, pois quando damos a nós próprios exatamente aquilo que necessitamos, seja um elogio, seja um presente, seja um gesto gentil, e quando nos sentimos plenos e seguros, temos vontade de dar amor ao próximo. Em outras palavras, todos nós gostamos de carinho, de afeto, de consideração, de respeito, mas primeiro devemos receber de nós mesmos, pois os outros entram em nossa sintonia e repetem o que emanamos. Então, vamos pensar diferente para ter uma vida renovada por novos valores, novas perspectivas, vamos olhar para dentro e atuar. Juntos, podemos mudar o cenário atual da nossa sociedade onde a máxima ¨ama teu próximo como a ti mesmo ¨ foi substituída pela ¨odeie teu próximo como a ti mesmo¨. Unidos, podemos promover ideias e ações voltadas para um mundo melhor e uma humanidade, verdadeiramente, mais feliz, com mais amor e mais responsabilidade em relação a si mesma, aos outros e em relação a cada um de seus diversos eus.








Movimento idealizado e desenvolvido pela psicóloga Néa Tauil

Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)


Mais informações:

página facebook: fb.me/familiaeu8
e-mail: familiaeu8@gmail.com
Instagram: familia.eu





domingo, 21 de janeiro de 2018

QUANDO CONSULTAR UM(A) PSICOTERAPEUTA?


Por Néa Tauil



Apoiando a Campanha Janeiro Branco, aproveito o momento para falar sobre algumas situações, nas quais deve-se consultar um(a) psicoterapeuta (psicólogo(a) que trabalha com psicologia clínica), já que Janeiro Branco é uma Campanha totalmente dedicada a colocar os temas da Saúde Mental em máxima evidência, no mundo, em nome da prevenção e do combate ao adoecimento emocional da humanidade, bem como convidar as pessoas a pensarem sobre o sentido e o propósito das suas vidas, a qualidade dos seus relacionamentos e o quanto elas conhecem sobre si mesmas, suas emoções, seus pensamentos e sobre os seus comportamentos

Desde quando Freud inventou a terapia pela palavra, este método foi questionado, derrubado, reerguido e reformulado. Hoje, sua influência está dispersa em centenas de correntes, algumas mais, outras menos freudianas. O fato é que, independente da abordagem teórica do profissional, a relação terapêutica se alicerça nos princípios do respeito pelo ser humano, pela empatia do psicoterapeuta pelo sofrimento do paciente (evitando julgamentos de ordem moral ou religiosa) e pelo sigilo absoluto dos conteúdos trazidos em sessão.

Importa aqui dizer que a psicoterapia é um modo de cuidar das diversas formas, com as quais o sofrimento humano pode se manifestar. É uma  ferramenta útil em diversos momentos e em diversas  circunstâncias da vida de uma pessoa, pois dela pode-se obter muitos benefícios para si mesmo e, consequentemente, para aqueles com quem convive. Veja abaixo alguns exemplos básicos de situações nas quais consultar um(a) psicoterapeuta pode fazer toda a diferença na sua vida:

  • quando os dias se sucedem e você não vê graça, nem sentido, em acordar, sair da cama e fazer as milhares de coisas que a vida, o mundo e as pessoas esperam de você;
  • quando você percebe que seus sentimentos, pensamentos e/ou comportamentos estão lhe provocando prejuízos pessoais e/ou sociais, angústias, tristezas ou quaisquer outras sensações desagradáveis e das quais você não consegue se ver livre;
  • quando a sua relação com você mesmo, com o mundo e/ou com as outras pessoas não ocorre mais de uma maneira saudável, satisfatória e capaz de produzir bons sentimentos de realização pessoal e social em você;
  • quando a sua relação com o trabalho gera angústia e sofrimento ao invés de orgulho e sensação de realização profissional em você;
  • quando o seu relacionamento afetivo com a família tornou-se conflituoso, difícil e angustiante;
  • quando as suas expectativas em relação ao seu futuro pessoal e/ou profissional forem pessimistas e obscuras;
  • quando a sua sexualidade e/ou desempenho sexual forem motivos de angústia e/ou ansiedade em sua vida;
  • quando traumas, lembranças e memórias da sua própria vida forem motivos de sofrimento no presente e desesperança em relação ao futuro;
  • quando a família, ou o relacionamento afetivo, ou o trabalho ou qualquer outra situação da sua vida lhe exigir uma decisão muito difícil de ser tomada;
  • quando inesperados e/ou dolorosos novos acontecimentos em sua vida deixaram-lhe com uma sensação interminável de impotência, tristeza ou angústia;
  • quando você se dá conta de que todas as situações anteriormente apresentadas são passíveis de ocorrer na vida de qualquer pessoa e que, portanto, é possível prevenir-se conhecendo-se melhor e trabalhando as suas próprias características subjetivas.
Se você se identificou com alguma das possibilidades apresentadas na lista, considere a possibilidade de cuidar de si mesmo por meio da psicoterapia, pois "quem cuida da mente, cuida da vida." Quando a nossa mente está em paz, todo o resto da vida fica mais fácil, afinal,  Saúde Mental é condição para uma vida feliz e com qualidade existencial.




Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)

Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com

Referência:

www.janeirobranco.com.br 
www.academiadopsicologo.com.br

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Pensamentos e Emoções Influenciam a Saúde do Corpo

Por Néa Tauil



Para algumas pessoas, ainda é difícil entender como pensamentos e emoções  podem interferir  na saúde do corpo. Mas, as pesquisas comprovam que os fatores emocionais  e os fatores físicos não agem isoladamente. A mente cheia de pensamentos positivos (funcionais) ou negativos (disfuncionais)  atua como um estímulo criador de emoções que afetam o corpo, de forma positiva ou negativa, estimulando a produção de hormônios que promovem saúde ou doença.

De acordo com Nascimento e Quinta (1998), cada emoção está associada a um tipo de hormônio. Existem os chamados "hormônios da saúde" e os "hormônios da doença". Os hormônios da saúde são liberados pelo corpo diante de um estado emocional (alegria, prazer, afeto, senso de humor, motivação, otimismo, relaxamento, entre outros.) que  desencadeia o bem-estar e melhora o sistema imunológico da pessoa. Por exemplo: relembrar momentos felizes pode aumentar diretamente os níveis de serotonina e evitar que você fique com o pensamento fixado em momentos menos felizes, caso tenha inclinação à depressão. O hormônio serotonina melhora o humor, combate a insônia, melhora a qualidade do sono, reduz a ansiedade, promove o bem-estar, combate o estresse e a depressão, favorece o relaxamento e, consequentemente, a saúde. Em contra partida, os "hormônios da doença" são liberados pelo corpo diante de um estado emocional (ansiedade, tristeza, medo, orgulho, ódio, estresse, maldade, angústia, depressão, preocupação, etc.) que favorece a vulnerabilidade às doenças, como também dificulta a recuperação, por interferir no sistema imunológico da pessoa. Por exemplo: remoer  - durante apenas cinco minutos - uma lembrança em que você sentiu raiva, permite que o seu organismo produza o hormônio cortisol. Este tem papel importante no organismo, ou seja, ele é necessário para manter o equilíbrio físico. Porém, quando em excesso - no sangue - pode reduzir a imunidade, deixando o organismo vulnerável a doenças.

Sem dúvida, o que pensamos influencia o que sentimos e, conseqüentemente, o nosso corpo e comportamentos. Em uma pesquisa realizada com mais de 600 oncologistas de todas as partes do mundo, para os médicos entrevistados, 95% deles, o que curou os pacientes foi a mudança de comportamento. Os enfermos que cultivaram os pensamentos e emoções de amor, esperança, fé, determinação, gratidão e otimismo alcançaram chances de vencer o câncer. O mesmo vale para aftas, enxaquecas, dores no corpo, insônia, herpes e outros. 

Como vimos, o tempo todo os nossos pensamentos e as nossas emoções (medo, tristeza, raiva, alegria, nojo, etc.) se refletem no nosso corpo e podem influenciar de maneira positiva ou negativa a saúde. Porém, não podemos “controlar” nossos pensamentos e emoções, mas podemos aprender a gerenciá-los. Para isso, é preciso cuidar da parte psíquica, pois o equilíbrio necessário para gerenciar os pensamentos e as emoções  está justamente  no processo de autoconhecimento - já que saber de si, conhecer-se e gradualmente amadurecer é o que de fato ajuda e possibilita mudar os modelos mentais que causam males físicos.


Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)
Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogospot.com
contato: neatauil@gmail.com

Referência:

Nascimento, E. e Quinta, E.M. Terapia do Riso. São Paulo: Harbra, 1988.

domingo, 5 de novembro de 2017

CONHECER-SE FAVORECE A VIDA A DOIS

Por Néa Tauil


Sabemos que a convivência com pessoas nem sempre é muito fácil, pois todas as modalidades de relação (família, amizade, casamento, trabalho, estudo, etc.) não envolvem apenas alegrias, prazeres, realizações, conforto. Ou seja, não existe apenas o lado prazeroso das relações, há também o lado dos conflitos, do desprazer em que as pessoas geram em nós  sentimentos desconfortáveis, como frustração, mágoa e raiva. Sendo que não só as  outras pessoas nos provocam sensações boas ou más, também provocamo - nas  as mesmas sensações, pois vivenciar momentos de prazer e desprazer são inerentes às relações humanas. Porém, a questão é: como lidar com essa condição na vida a dois, sem destruir o relacionamento? 

A vida a dois é uma construção do dia a dia e, para agir de uma forma mais tranquila - na relação  "eu-outro"- o autoconhecimento é essencial para que a pessoa possa se observar dentro da relação. Isto é, na arte de se relacionar com o outro, é primordial conhecimento de nosso próprio eu. Quando a pessoa conhece seus pontos fortes e fracos, fica mais fácil desenvolver atitudes que promovam relacionamentos mais saudáveis e construtivos. Estar ciente sobre os próprios limites, fica mais fácil desenvolver atitudes que resolvam essas limitações, apropriar dos próprios sentimentos, reconhecendo-os e questionando quais necessidades emocionais não estão sendo atendidas, evita o desgaste das relações por questões de pouca relevância. Podemos dizer isto: quando a pessoa não se conhece em profundidade, ela caminha no escuro, coloca-se em condições de inferioridade diante do outro, pois fica difícil perceber quem realmente é, o que consegue ou não fazer, identificar quais são as suas necessidades, desejos e suas verdadeiras habilidades e aquilo que pode lhe ajudar a melhorar tais habilidades.  Com certeza, quando temos consciência do nosso papel e do papel do outro na relação, com limites bem definidos, a vida a dois tende a ser mais igualitária e com respeito ao espaço de ambos.

Na real, o processo de autoconhecimento muda a forma como uma pessoa interage consigo mesmo, com o mundo e com as outras pessoas, abrindo a possibilidade para conhecer e aprender novas coisas. Conhecer-se melhor, sabemos, desde Sócrates (470-399 a.C.), é fundamental para o viver, já que os outros entram em nossa sintonia e repetem o que emanamos. Sócrates foi um grande defensor do autoconhecimento, e durante a sua vida, dedicou muito tempo para tentar entender a sua própria natureza. Afirmou que nenhum indivíduo era capaz de praticar o mal conscientemente e propositadamente, mas que o mal era um resultado da ignorância e falta de autoconhecimento.

De fato, quanto menos autoconhecimento, mais o inconsciente vai estar no comando. O inconsciente não se manifesta na vida de cada pessoa apenas em lapsos, atos falhos ou em sonhos. Na verdade, ele é uma força que está por trás de todas as nossas escolhas e repetições de comportamento. Entretanto, a maneira como o inconsciente interfere em cada pessoa é relativo, já que leva em consideração a história de vivência de cada um, conforme as representações sociais introjetadas pela família em que está inserida. Então, não é por outra razão que o mesmo inconsciente que nos impulsiona a repetir atitudes saudáveis, leva-nos também a repetir, compulsivamente, atitudes negativas e destrutivas. E o que é pior: por não se conhecer, a pessoa segue repetindo sempre os mesmos padrões  negativos e destrutivos.

Infelizmente, são muitas as possibilidades de padrões negativos e destrutivos aprendidos na infância que podem criar dilemas inconscientes que acabam levando a pessoa a agir contra si mesma na idade adulta. Um bom exemplo são  as relações abusivas que envolve ( violência física, psicológica e sexual) na vida a dois. É essa a violência  privada que  chamo de "fundo do poço" e que muitas vezes é a partir daí que alguns casais procuram ajuda psicológica, com o objetivo de romper com os padrões negativos e destrutivos no modo de se relacionar e emergir para uma nova concepção saudável de relacionamento. Por outro lado, outros tantos vivem afundados no ciclo da autossabotagem, repetindo padrões de comportamentos  negativos e destrutivos mantenedores das relações abusivas, já que a familiaridade com o problema e as reações a ele criam uma segurança neurótica no casal. Isto é, a paralisia e o torpor são mais aceitáveis do que o aprendizado de novos padrões. Mas, sem sombras de dúvidas, torna-se muito mais complicado manter relacionamentos doentios do que saudáveis. Então, para uma vida a dois leve, equilibrada e estável, o caminho é o autoconhecimento.



Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil
Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com
contato: neatauil@gmail.com

sábado, 7 de outubro de 2017

TRISTEZA É DEPRESSÃO?

Por Néa Tauil



Infelizmente, apesar de vivermos no mundo da informação, boa parte das pessoas ainda confundem tristeza  com depressão. Mas essa confusão pode ser perigosa, já que a depressão aumenta - em 80% - a mortalidade por causas somáticas (doenças cardíacas, diabetes, hipertensão, AVC, obesidade, etc.) além, é claro, de ser considerada como a principal causa de suicídio.

É importante ressaltar que tristeza não é depressão, por isso,  é fundamental aprender diferenciar uma da outra  para que a depressão deixe de ser ignorada pelo portador e por parte da família, podendo ser prevenida e tratada. Dessa forma, uma melhor compreensão sobre a diferença entre a emoção tristeza e  a doença depressão pode ajudar a reduzir o estigma associado ao estado depressivo, além de levar mais pessoas a procurar ajuda.

Então, para acabar com qualquer dúvida e levar a depressão à sério, o quanto merece, conheça as principais diferenças entre tristeza e depressão: a tristeza é um sentimento normal, que faz parte da vida psicológica de todos nós, assim como  medo, raiva, alegria e outros sentimentos. Ela surge em resposta a alguma lembrança que tenha significado importante, ou algum evento ruim ( por exemplo, perda de um amigo, revés financeiro, etc.). Quando a pessoa está  triste, em geral, consegue seguir com o seu  trabalho, relacionamentos afetivos e compromissos sociais. Consegue reagir e encontra motivação para superar as dificuldades, isto é, mantém a esperança. Pode passar por momentos difíceis, mas não perde a capacidade de sentir prazer e/ou aproveitar as coisas boas da vida. No caso da depressão, a tristeza e o desprazer podem oscilar, mas, em geral, são mais persistentes ao longo do tempo e os problemas normais do cotidiano tomam proporções exageradas. A pessoa pode perder a capacidade de reação, a esperança em reverter seu quadro de marasmo, desânimo e tristeza.  Diante disso, a pessoa tende a se isolar, ao contrário de uma pessoa triste, que busca ajuda e a companhia de amigos. Por vezes, pode não haver tristeza, mas, sim, uma incapacidade de sentir prazer, mesmo nas atividades que antes eram prazerosas. A depressão, quase invariavelmente, causa prejuízo em uma ou mais esferas do funcionamento do indivíduo, tais como trabalho e desempenho nos estudos. A pessoa tende a ficar mais irritada e impaciente do que o normal, o que prejudica os relacionamentos de modo geral (familiar, afetivo ou social).  Surgem também os sintomas físicos, pois ao contrário do que muitos pensam, depressão não é uma doença de sintomas estritamente psicológicos, mas sim uma das doenças emocionais que mais ataca o corpo. Muitas pessoas não reconhecem que estão deprimidas por não associarem ao transtorno depressivo os sintomas físicos, como cansaço, alterações no apetite, dificuldade extrema de concentração, hipersônia ( excessivas horas de sono ou sonolência)  ou insônia, dores difusas pelo corpo, distúrbios gastrointestinais, fadiga, taquicardia, dores na coluna, dificuldade de respirar, sensação de opressão no peito, perda ou diminuição do desejo sexual, imunidade baixa, entre outros.

Por tudo isso, saber identificar um estado depressivo faz com que a pessoa  encare o problema como uma doença - que merece a devida atenção - e pode buscar ajuda de um profissional qualificado, ao invés de atribuir seus sintomas como  uma reação a fatos  ruins da vida ou como uma coisa passageira sem importância e até mesmo sem solução. Lembre-se:  depressão não é tristeza e precisa , sim, de tratamento, pois é prejudicial ao indivíduo, aos seus próximos e à sociedade de maneira geral





Todos os direitos reservados a Julcinéa Maria Tauil (Néa Tauil)
Psicoterapia Beneficia as Pessoas - http://psicologaneatauil.blogspot.com
contato: neatauil@gmail.com